As 4 piores frases que você pode dizer a um recrutador

Já ouviu o ditado “o peixe morre pela boca”? Se você quer arruinar as suas chances em uma entrevista de emprego, siga este roteiro de frases

Frases proibidas na entrevista
Frases proibidas na entrevista

Acredite: se você vai minimamente preparado para suas entrevistas de emprego, já está a anos-luz da maioria dos candidatos. É raro ver profissionais que chegam à fase presencial da seleção munidos de informações básicas sobre a empresa e sobre os requisitos da vaga, infelizmente, a maioria deixa escapar frases ou perguntas que denotam que não investiram nem um pouco em planejamento.

O motivo está, em parte, no contexto econômico do país: diante da dificuldade de encontrar emprego, muitas pessoas têm chegado mais ansiosas, nervosas ou até desesperadas ao encontro e acabam falando o que não deviam.

Para evitar gafes, é melhor planejar com cuidado o seu discurso na entrevista — sem, é claro, criar um discurso robótico ou artificial, que também pode prejudicar a sua imagem.

Já ouviu o ditado “o peixe morre pela boca”? Se você quer arruinar as suas chances em uma entrevista de emprego, siga este roteiro de frases:

“Já aprendi tudo o que podia no meu emprego atual”

Por que pega mal? Aos ouvidos do recrutador, esse tipo de frase soa como um atestado de arrogância. “É humanamente  impossível aprender 100% do que há disponível sobre um determinado trabalho ou segmento”, diz Oggiam. Diante de uma frase vaga como essa, o entrevistador pode imaginar que você está querendo esconder o real motivo por trás do seu desligamento de uma empresa.

O que deveria ser dito então? Se você realmente acredita que seu emprego atual já não agrega mais nada à sua carreira, a dica do gerente da Page Personnel é dizer isso fazendo referência a objetivos específicos. “É mais claro e honesto dizer que você queria aprender sobre A, B e C, e já conseguiu isso na empresa atual, e que agora quer buscar uma oportunidade que ensine sobre X, Y e Z”, explica.

Entrevista de Emprego
Entrevista de Emprego

“Antes de tudo, qual é o salário?”

Por que pega mal? Salário é uma questão fundamental em qualquer relação de emprego, mas as duas partes precisam abordar o tema com delicadeza. Na visão de Berto, o candidato que questiona o valor da remuneração e dos benefícios logo no primeiro encontro com o recrutador, de forma muito crua, passa a impressão de que só está interessado no dinheiro.

O que deveria ser dito então? O ideal, segundo especialistas, é deixar para o recrutador a iniciativa de tocar no assunto. Quando isso acontecer, busque apresentar dados concretos sobre o mercado, com base em pesquisas salariais, se possível, para sustentar o seu lado da negociação.

“Não fui promovido porque meu ex-chefe me perseguia”

Por que pega mal? “Esse tipo de frase sugere que o candidato é imaturo e não faz autocrítica”, afirma Berto. Quando você fala mal das pessoas com quem você trabalhou, é a sua reputação que sai ferida. Profissionais com “língua afiada” na entrevista são frequentemente vistos como pouco confiáveis e antiéticos, segundo o recrutador.

O que deveria ser dito então? Você pode fazer críticas à sua antiga chefia, desde que sejam bem fundamentadas e construtivas. Em vez de atacar características pessoais dele ou dela, é melhor apontar características do seu estilo de gestão que trouxeram prejuízo para o trabalho. Também vale explicar qual foi a sua postura diante desse desafio de relacionamento.

“Pode confiar em mim, eu sou da religião/partido X”

Por que pega mal? Não há nada menos profissional do que dizer que você deve ser contratado porque acredita numa determinada religião ou linha política. A impressão que fica é que você não está seguro das suas próprias competências, e então tenta apelar para uma identificação emocional com o entrevistador.

O que deveria ser dito então? Sobre esse tipo de assunto, nada. A entrevista serve para falar sobre trabalho, apenas não tente ganhar a simpatia do recrutador com base em qualquer outro argumento que não seja profissional.

Fonte: Exame